Rs=w:350,h:263,i:true,cg:true,ft:cover?cache=true

O governador Renan Filho apresentou, na manhã desta sexta-feira (26), a Matriz de Risco que vai nortear a implementação das fases do distanciamento social controlado em Alagoas. Renan voltou a dizer que a capital está estável com relação aos casos da covid-19.

Segundo Renan, se piorar os casos, é necessário conversar com a sociedade para ampliar o isolamento. “Teve estados que acharam que a doença não ia chegar, e ela chegou. Isso gera um impacto econômico superior”, disse.

Com relação a matriz foram analisadas as dimensões estratégicas a serem observadas para a mudança de fase no plano de distanciamento social controlado: capacidade hospitalar instalada, evolução dos óbitos e taxa de crescimento.

Veja abaixo:

Sobre as bandeiras para transições de fases foram levados em conta a taxa de ocupação de leitos com respiradores, a taxa de ocupação dos leitos grátis e a oferta de leitos com respiradores por 100 mil habitantes. Veja a tabela abaixo.

“No estado de Alagoas atingimos o maior número de óbitos na semana 21, em meados de maio, e o estado conseguiu com a oferta de leitos conseguiu estabilizar o atendimento à população”, explicou secretário de planejamento Fabrício Marques.

“Na última semana tivemos uma queda. O que importa é a tendência de queda. O que temos em Maceió é que na 21º semana sem óbitos e tendência de queda nas últimas 4 semanas”, justificou Fabrício sobre a evolução histórica de óbitos.

Segundo o governador, Alagoas vai seguir ampliando leito, mas pode acontecer de uma semana ter mais morte. “Ainda há um avanço no interior”.

O Secretário de Estado da Saúde Alexandre Ayres disse que o Governo priorizou o diálogo com a ciência e que todo o estudo foi feito com dados técnicos. “Lá atrás, em março, o nosso pedido era que se isolasse social para que a saúde ampliasse a rede hospitalar. Hoje temos mais de 1180 leitos abertos exclusivo para a covid, e agora vamos acompanhar os números e avançar de fase possibilitando que a gente conviva com a doença”.

Ayres disse que a tendência é de estabilização e não é baseada em achismo. “Estamos vendo uma frequente redução. Iremos apresentar semanalmente comunicar ao Governo o que a ciência e saúde tem orientado para que a gente possa avançar ou permanecer”, disse.

Renan reforçou que mesmo com o distanciamento social pode ser que  tenha alguma semana de piora e a sociedade vai ser convocada para que seja dito o que está acontecendo.

*fonte:cadaminuto